quarta-feira, 30 de abril de 2008

CORAÇÕES DISTANTES





Um dia, um pensador indiano fez a seguinte pergunta a seus discípulos:
"-Por que as pessoas gritam quando estão aborrecidas?"
"-Gritamos porque perdemos a calma" - disse um deles.
"-Mas, por que gritar quando a outra pessoa está ao seu lado?" - questionou novamente o pensador.
"-Bem, gritamos porque desejamos que a outra pessoa nos ouça", retrucou outro discípulo.
E o mestre volta a perguntar: "-Então não é possível falar-lhe em voz baixa?"
Várias outras respostas surgiram, mas nenhuma convenceu o pensador.

Então ele esclareceu:

"Vocês sabem porque se grita com uma pessoa quando se está aborrecido?
O fato é que, quando duas pessoas estão aborrecidas, seus corações se afastam muito. Para cobrir esta distância precisam gritar para poderem escutar-se mutuamente. Quanto mais aborrecidas estiverem, mais forte terão que gritar para ouvir um ao outro, através da grande distância.

Por outro lado, o que sucede quando duas pessoas estão enamoradas?
Elas não gritam. Falam suavemente.
E por quê? Porque seus corações estão muito perto. A distância entre elas é pequena. Às vezes estão tão próximos seus corações, que nem falam, somente sussurram. E quando o amor é mais intenso, não necessitam sequer sussurrar, apenas se olham, e basta. Seus corações se entendem. É isso que acontece quando duas pessoas que se amam estão próximas."

Por fim, o pensador conclui, dizendo:

"Quando vocês discutirem, não deixem que seus corações se afastem, não digam palavras que os distanciem mais, pois chegará um dia em que a distância será tanta que não mais encontrarão o caminho de volta".
Quando você for discutir com alguém, lembre-se que o coração não deve tomar parte nisso.

Se a pessoa com quem discutimos não concorda com nossas idéias, não é motivo para gostar menos dela ou nos distanciar, ainda que por instantes.




terça-feira, 29 de abril de 2008

ALGUNS MOTIVOS PELOS QUAIS OS HOMENS GOSTAM TANTO DE MULHERES:



Arnaldo Jabor.

1 - O cheirinho delas é sempre gostoso, mesmo que seja só xampu.

2 - O jeitinho que elas têm de sempre encontrar o lugarzinho certo em nosso ombro.

3 - A facilidade com a qual cabem em nossos braços.

4 - O jeito que têm de nos beijar e, de repente, fazer o mundo ficar perfeito.

5 - Como são encantadoras quando comem.

6 - Elas levam horas para se vestir, mas no final vale a pena.

7 - Porque estão sempre quentinhas, mesmo que esteja fazendo trinta graus abaixo de zero lá fora.

8 - Como sempre ficam bonitas, mesmo de jeans com camiseta e rabo-de-cavalo.

9 - Aquele jeitinho sutil de pedir um elogio.

10 - Como ficam lindas quando discutem.

11 - O modo que têm de sempre encontrar a nossa mão.

12 - O brilho nos olhos quando sorriem.

13 - Ouvir a mensagem delas na secretária eletrônica logo depois de uma briga horrível.

14 - O jeito que têm de dizer "Não vamos brigar mais,não.."

15 - A ternura com que nos beijam quando lhes fazemos uma delicadeza.

16 - O modo de nos beijarem quando dizemos "eu te amo".

17 - Pensando bem, só o modo de nos beijarem já basta.

18 - O modo que têm de se atirar em nossos braços quando choram.

19 - O jeito de pedir desculpas por terem chorado por alguma bobagem.

20 - O fato de nos darem um tapa achando que vai doer.

21 - O modo com que pedem perdão quando o tapa dói mesmo (embora jamais admitamos que doeu).

22 - O jeitinho de dizerem "estou com saudades".

23 - As saudades que sentimos delas.

24 - A maneira que suas lágrimas têm de nos fazer querer mudar o mundo para que mais nada lhes cause dor.

domingo, 27 de abril de 2008

Simone - Uma Nova Mulher







Uma Nova Mulher
Simone

Composição: Paulo Debétio - Paulinho Rezende

Que venha essa nova mulher de dentro de mim,
Com olhos felinos felizes e mãos de cetim
E venha sem medo das sombras, que rondam o meu coração,
E ponha nos sonhos dos homens
A sede voraz, da paixão
Que venha de dentro de mim, ou de onde vier,
Com toda malícia e segredos que eu não souber
Que tenha o cio das onças e lute com todas as forças,
Conquiste o direito de ser uma nova mulher
Livre, livre, livre para o amor....quero ser assim, quero ser assim
Senhora das minhas vontades
E dona de mim livre, livre, livre para o amor, quero ser assim,
Quero ser assim, senhora das
Minha vontades e dona de mim....
Que venha de dentro de mim, ou de onde vier,
Com toda malícia e segredos que eu não souber
Que tenha o cio das corças e lute com todas as forças,
Conquiste o direito de ser uma nova mulher
Livre, livre, livre para o amor quero ser assim, quero ser assim,
Senhora das minhas vontades
E dona de mim livre, livre, livre para o amor, quero ser assim,
Quero ser assim, senhora das
Minhas vontades e dona de mim....
Que venha essa nova mulher de dentro de mim
Que venha de dentro de mim ou de onde vier
Que venha essa nova mulher de dentro de mim

Síntese da felicidade




(Drummond)

Desejo a você...
Fruto do mato
Cheiro de jardim
Namoro no portão
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Filme do Carlitos
Chope com amigos
Crônica de Rubem Braga
Viver sem inimigos
Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Ver a Banda passar
Noite de lua Cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Não Ter que ouvir a palavra não
Nem nunca, nem jamais e adeus.
Rir como criança
Ouvir canto de passarinho
Sarar de resfriado
Escrever um poema de Amor
Que nunca será rasgado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado legal
Aprender um nova canção
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada
Pôr-do-Sol na roça
Uma festa
Um violão
Uma seresta
Recordar um amor antigo
Ter um ombro sempre amigo
Bater palmas de alegria
Uma tarde amena
Calçar um velho chinelo
Sentar numa velha poltrona
Tocar violão para alguém
Ouvir a chuva no telhado
Vinho branco
Bolero de Ravel
E o carinho meu.

Uauuuuuuuuuuuu isso é tudo q amo

sexta-feira, 25 de abril de 2008

O Dia em que o Sol Encontrou-se com a Lua



Márcia Aparecida Silva Zauza

Conta-se, que há muito o Sol andava tristonho pela Terra.

Seus raios, já não eram tão " fortes " como antes e por mais que o fizesse,sempre era encoberto por alguma nuvem escura que percorria o céu num forte vendaval.

Os pássaros, as flores, os animais,todos se questionavam sobre o distanciamento do sol.

Numa manhã; que seria bem mais bonita, se o Sol estivesse com seu esplendor total;
uma ave de vôo inigualável chamada Condor; arriscou-se e quis tentar conversar com o astro rei.

O sol percebendo a dificuldade do Condor para se aproximar,tranqüilizou-o dizendo:

- Linda ave; de vôo quase perfeito, porque queres chegar a mim, se estou por toda parte deste planeta?

O Condor ouvindo a pergunta do Sol lhe respondeu, já exausto pelo vôo:
- Gostaria muito de saber o que lhe deixa tristonho.
O planeta está quase sem tua luz: os pássaros já não sabem mais para onde ir; as flores, principalmente o girassol; já não sabe mais se fica acordado ou se dorme;
os animais já não sabem mais se ficam em suas tocas ou saem para caçar; as lavouras estão se perdendo...
Tudo está tão confuso, que resolvi arriscar este vôo e lhe perguntar qual seria o problema.

O Sol percebendo a preocupação do Condor disse-lhe:
- Não sabia que estava causando tantos transtornos! Confesso que me absorvi em meus pensamentos, que não me dei conta do que estava fazendo.
Posso tentar solucionar isto tudo; prometo tentar...

O Condor percebendo a " dúvida " que ficou nas palavras do Sol, ainda insistiu na mesma pergunta:
- Mas o que está ocorrendo, que lhe tirou a atenção do resto do mundo?
Poderia lhe ajudar, se você me dissesse o motivo.

O Sol ainda encoberto, disse-lhe:
- Acho difícil alguém me ajudar...
Muito difícil mesmo...
E já que está disposto a conversar, diga-me: você já amou alguém Condor?

O Condor apoiou-se nas encostas de uma montanha; abaixou sua cabeça sem olhar para o abismo e respondeu:
- Sim, já amei...
Amei uma linda ave, que não era um Condor...
Amei e sonhei...
Muito...
E porque você me pergunta isto?
Você que é o Sol!
Que possui bem mais dotes do que eu; que possui o poder em suas mãos?
Não é possível que não consegue conquistar o amor de sua amada?
Qualquer dama, se renderia à sua luminosidade; ao seu esplendor; ao seu magnetismo natural; ao seu calor...

E antes mesmo que o Condor continuasse,o Sol o interrompeu dizendo:
- Qualquer uma, menos ela...

O Condor já intrigado de tanta curiosidade, então perguntou:
- Quem Sol?
Quem é ela?
Que dama lhe ofusca os olhos?

O Sol, então olhou para o infinito e disse-lhe com o semblante bem tristonho:
- A Lua...
A Lua, amigo!

Neste instante o Condor em respeito ao Sol, segurou seu sorriso e disse-lhe:
- A Lua?
Como você apaixonou-se por ela?
Como isso aconteceu?

O Sol percebendo o espanto do Condor,
lhe respondeu:
- Aconteceu, que nos encontramos por algumas vezes...
Em frações de segundos em alguns lugares, mas nos encontramos!
Por que você está surpreso com isso?

O Condor percebendo que o Sol já estava se exaltando, tentou explicar:
- Por favor amigo, não quero que fique nervoso comigo.
Apenas estranhei a Lua ser sua amada...

- Como estranhou?
Nunca lhe perguntei a quem você amou e se tivesse dado certo, você não me responderia da maneira como me respondeu!

O Condor então disse:
- Sim, você está certo...
Desculpe-me!
O que estranhei, foi que você viu muito pouco esta bela criatura, para poder se apaixonar por ela.

Neste instante o Sol então respondeu:
- Sim muito pouco...
Muito pouco mesmo...
Mas nestas poucas vezes, enxerguei dentro dos olhos dela.
Vi toda a beleza que ela trazia dentro de si...
Enxerguei o seu coração...
Senti-o bem próximo a mim...
Acreditei naquele olhar...
Vi cumplicidade...
Vi entrega...
Vi amor...

O Condor, observou que o Sol lhe falava, mas seus olhos ficavam fixos no infinito,
procurando talvez os olhos da Lua.

Então disse-lhe:
- Ora, ora amigo, tenho que pensar em uma maneira de lhe ajudar.
E lhe ajudando, estarei sendo ajudado...não só eu, todo o planeta!

O sol com mais emoção então perguntou:
- Como você poderá me ajudar?

- Devagar amigo!
Primeiro preciso me encontrar com alguns amigos de hábitos noturnos e depois lhe darei a resposta.

E o Condor saiu voando mais que rapidamente e em menos de 5 horas; quase à noitinha,
apareceu junto à encosta de uma montanha, onde o Sol já se reclinara para adormecer e disse-lhe:

- Veja amigo, o que trouxe junto a mim!
São vários amigos de hábitos noturnos e todos eles estão dispostos a lhe ajudar,
se você continuar durante o dia no céu, mais forte do que nunca!
É esta a única condição imposta por eles, para lhe ajudar!

O sol intrigado com tantos animais ao seu redor,
então os perguntou:
- Então digam, o que vocês fariam?

Neste instante uma coruja,
com a fisionomia bem experiente e sábia, disse-lhe:
- Levaríamos à Lua,
seus recados;
suas notícias...
Tudo que precisar!

O Sol neste momento bramiu com grande satisfação ao dito pela coruja.
E depois sorriu aliviado dizendo:
- Então digam a ela uma " coisinha "
muito importante; que nunca tive tempo para dizer;
pois quando nos víamos,ficava tão preocupado pelo pouco tempo de encontro;
que esquecia de lhe dizer...
Digam a ela, que a amo!
Que a amo, mais do que tudo!
Que estarei sempre esperando para nos encontrarmos!
Que serei guardião do dia e ela será a guardiã da noite...
E trabalhando juntos, os dias e noites se passarão sem errose nos veremos novamente!
E quando nos encontrarmos novamente,a amarei mais e mais...
Nem que demore meio século para este encontro, mas a amarei!

Os animais neste instante se emocionaram com a clareza e transparência do Sol.
Agora sim, ele foi sincero em seu sentimento.
Ele não o escondeu entre as nuvens escuras e não teve medo de falar o que sentia.

E a noite chegou.

A primeira a levar o recado foi a coruja.
Do alto de uma árvore, disse à Lua as palavras do Sol.

Naquela noite,uma chuva muito branda mas " molhada ",
molhou a Terra.

Cada gota de água da chuva,representava emoções e sensibilidade da Lua.
Cada gota de chuva representava
lágrimas de amor da Lua!
Lágrimas de esperanças...
Lágrimas de satisfação...
Lágrimas de confiança...
Agora a Lua sabia que não estava só...
E um dia, se encontraria novamente com o Sol...
Nem que demorasse meio século...
Mas o encontraria...
Na imensidão do tempo...



quarta-feira, 23 de abril de 2008

A DIFERENÇA PEDE LICENÇA




Letícia Thompson

A sociedade é um imenso mercado, onde muito cedo as pessoas são etiquetadas e colocadas em algum lugar, sem escolha possível. O bonito, o feio, o desajeitado, o inteligente, o atrasado, o grande, o pequeno, o normal, o anormal...

E julga-se, sem piedade, os fracos, os fortes, os vencedores, os perdedores, os sãos, os doentes.
Chama-se de diferente aquele que não está na mesma linha de normalidade que a maioria do ser humano. Mas, o que é ser diferente senão o fato de não ser igual? Não somos assim, todos diferentes?

Por que etiquetas, se todos trazemos em nós riquezas inúmeras, mesmo se muitas vezes imperceptíveis aos olhos humanos?
A diferença pede licença sim!!!
Dá-me oportunidade!
Deixa-me mostrar quem sou, ao meu tempo! Deixa-me desenvolver minhas capacidades e farei florir meu deserto.
Peço é oportunidade para mostrar do que sou capaz. Peço aceitação para estar no meu lugar, não o escolhido para mim, mas aquele onde sou capaz de chegar.
Se não plantamos sementes, jamais colheremos frutos!

Deixar que cada qual desenvolva a seu tempo e seu ritmo o seu potencial é dar abertura ao mundo.
É a diversidade de flores que dá beleza a um jardim.

Quem é normal e quem é anormal se o sangue corre da mesma forma para todos, se o coração bate da mesma forma, se as lágrimas têm a mesma cor e se o sorriso fala com as mesmas palavras?
A diferença pede aceitação, pede respeito, pede tolerância e pede, sobretudo, muito amor.


terça-feira, 22 de abril de 2008

Rita Pavone= Que saudades-Velhos tempos, lindos dias

Rita Pavone - Che m'importa del Mondo '64

RITA PAVONE DATEMI UN MARTELLO 64

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Difícil ser transparente




Rosana Braga

Às vezes, fico me perguntando porque é tão difícil ser transparente? Costumamos acreditar que ser transparente é simplesmente ser sincero, não enganar os outros.

Mas ser transparente é muito mais do que isso. É ter coragem de se expor, de ser frágil, de chorar, de falar do que a gente sente... Ser transparente é desnudar a alma,é deixar cair as máscaras, baixar as armas, destruir os imensos e grossos muros que nos empenhamos tanto para levantar...

Ser transparente é permitir que toda a nossa doçura aflore, desabroche, transborde! Mas infelizmente, quase sempre, a maioria de nós decide não correr esse risco. Preferimos a dureza da razão à leveza que exporia toda a fragilidade humana. Preferimos o nó na garganta às lágrimas que brotam do mais profundo de nosso ser...

Preferimos nos perder numa busca insana por respostas imediatas à simplesmente nos entregar e admitir que não sabemos, que temos medo! Por mais doloroso que seja ter de construir uma máscara que nos distancia cada vez mais de quem realmente somos, preferimos assim: manter uma imagem que nos dê a sensação de proteção... 

E assim, vamos nos afogando mais e mais em falsas palavras, em falsas atitudes, em falsos sentimentos.

Não porque sejamos pessoas mentirosas, mas apenas porque nos perdemos de nós mesmos e já não sabemos onde está nossa brandura, nosso amor mais intenso e não contaminado. 

Com o passar dos anos, um vazio frio e escuro nos faz perceber que já não sabemos dar e nem pedir o que de mais precioso temos a compartilhar, doçura, compaixão... a compreensão de que todos nós sofremos, nos sentimos sós, imensamente tristes e choramos baixinho antes de dormir, num silêncio que nos remete a uma saudade desesperada de nós mesmos...

Daquilo que pulsa e grita dentro de nós,mas que não temos coragem de mostrar àqueles que mais amamos!

Porque, infelizmente, aprendemos que é melhor revidar, descontar, agredir, acusar, criticar e julgar do que simplesmente dizer: "você está me machucando... pode parar, por favor?". 

Porque aprendemos que dizer isso é ser fraco, é ser bobo, é ser menos do que o outro. Quando, na verdade, se agíssemos com o coração, poderíamos evitar tanta dor, tanta dor...

Sugiro que deixemos explodir toda a nossa doçura! Que consigamos não prender o choro, não conter a gargalhada, não esconder tanto o nosso medo,não desejar parecer tão invencível.

Que consigamos não tentar controlar tanto, responder tanto, competir tanto, que consigamos docemente viver, sentir, amar... E que você seja não só razão, mas também coração, não só um escudo, mas também sentimento. 

Seja transparente,apesar de todo o risco que isso possa significar.




sábado, 19 de abril de 2008

PARA ALGUÉM ESPECIAL: HUGO SANTA CRUZ




FELIZ ANIVERSÁRIO MEU AMOR
EXISTEM MOMENTOS NA VIDA EM QUE AS PALAVRAS TORNAM-SE VÃS, POR MAIS QUE ELAS SEJAM SIGNIFICATIVAS NÃO ALCANÇAM O TAMANHO DOS NOSSOS SENTIMENTOS.
O QUE EU POSSO TE DIZER HOJE:
EU TE AMO, ESTOU COM VOCÊ HOJE E SEMPRE.


PRÁ VOCÊ COM CARINHO

Que Deus bão permita que eu perca o romantismo









quinta-feira, 17 de abril de 2008

Eu só queria existir



Autor Paulo Nunes Junior

Apresento-me em diversas formas,

bato às portas dos corações amargurados,

acalento os carentes, levo alegria,

tristeza e reflexão,

alimento sonhos, aproximo pessoas,

adentro o coração do pequeno e do grande.

Consigo penetrar em qualquer nação,

sem necessidade de passaporte ou documentos.

Sou minha maior identificação.

No lar sou recebida pela criança,

posso ser sentida pelo apaixonado,

sou usada como instrumento de conquista,

pelo rebelde como grito de revolta,

ao coração com dor sou analgésico,

ando de mãos dadas com a pureza, com a verdade,

sou franca,

mas às vezes penetro em um mundo de fantasias...

Adulta e séria transformo-me em criança pura,

brinco com outras amigas e cirandamos felizes

passando de mão em mão,

em lares, atravessamos a tela virtual

tocamos os sentimentos mais profundos.

Nosso aliado, às vezes com as mãos tomadas pelo cansaço,

vem e nos coloca frente a inúmeros,

ficamos felizes quando somos compreendidas

tristes quando nos fazem, os que nos guiam pelas mãos,

instrumento de ataque, injúria, mentiras,

mas mesmo assim prosseguimos nosso caminhar.

Sempre existe alguém a nos esperar...

A mim e meu companheiro na fonte de esperança.

Somos enfim,

O grande colorido dos que vivem sem cor

Somos simples,

outras vezes em gala,

Sempre estamos lá

tocamos e confortamos somos entendimento.

Ah, pergunta-me quem sou?

Eu sou a Poesia!

Meu condutor o Poeta, o porquê vivo?

Para quem existo?

Oras para você,

Sempre pra você que acabou de me dar atenção.


quarta-feira, 16 de abril de 2008

Roberto Carlos - Alem do horizonte (RC Especial 1982)







Quero....



(sem menção do autor)

Quero seus braços
me envolvendo
num abraço.
Terno, apertado,
demorado.

Quero fazer ninho no seu
peito.

Aspirar seu cheiro.
Quero nossas cabeças no mesmo
travesseiro.

Nossas mãos passeando
em carícias serenas.
E plenas.

Nossas bocas grudadas.
E a falar palavras de amor
quando separadas.

Quero dançar com você
uma canção suave, romântica.
E outra sensual.
Uma música sem igual.

Quero fechar os olhos e ser levado...
Para o paraíso
quero ser transportado.

Quero seu colo.
Seu carinho.
Quero que me ame de mansinho

terça-feira, 15 de abril de 2008

Depois de algum tempo você aprende a diferença.....





Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e aprisionar uma alma.

E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança.

E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes, não são promessas.

E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.

E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.

E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente
não se importam...

E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-la de vez em
quando e você precisa perdoá-la por isso.

Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.
Descobre que levá-se anos para construir confiança e apenas alguns segundos para
Destruí-la, e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá
pelo resto da vida.

Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias.

E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem na vida.
E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.

Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendermos que os amigos mudam,
perceber que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa ou nada, mas terem bons momentos juntos.

Descobre que as pessoas com que você mais se importa na vida são tomadas de você
muito depressa- por isso, sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras
amorosas, pois pode ser a última vez que a vejamos.

Aprende que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos.

Começa a aprender que não se deve comparar os outros,mas com o menor que pode ser.
Descobre que leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.

Aprende que não importa onde já chegou, mas onde está indo, mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve.

Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade,pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existe dois lados.

Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as consequências.

Aprende que paciência requer muita prática.
Descobre que algumas vezes, a pessoa que você espera que o chute quando você cai, é uma das poucas pessoas que o ajudam a levantar-se.

Aprende que maturidade tem mas a ver com os tipos de experiências que se teve e,
o que você aprender com elas, do que com quantos aniversários você celebrou.

Aprende que há mais dos seus pais em você do que supunha.

Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas na vida são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.

Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel.

Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame, não significa que esse alguém não o ama com tudo que pode, pois existem pessoas que nos
amam, mas simplesmente não sabem demonstrar ou viver isso.

Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você
tem que aprender a perdoar-se a si mesmo.

Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.

Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára
para que você o conserte.

Aprende que o tempo não é algo que possa volta atrás.
Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém
lhe traga flores.

E você aprende que realmente pode suportar... que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não pode mais.

E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida.

"Nossas dádivas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar,
se não fosse o medo de tentar".

De autor anônimo - Atribuído a William Shakespeare

*******************************
Referências:

Sítio: http://www.releituras.com/
Sítio: http://www.mundocultural.com.br/
Sítio: http://br.groups.yahoo.com/group/falapalavra/message/559



Djavan - Te devoro






Inconfesso Desejo



(Carlos Drummond de Andrade)

Queria ter coragem
Para falar deste segredo
Queria poder declarar ao mundo
Este amor
Não me falta vontade
Não me falta desejo
Você é minha vontade
Meu maior desejo
Queria poder gritar
Esta loucura saudável
Que é estar em teus braços
Perdido pelos teus beijos
Sentindo-me louco de desejo
Queria recitar versos
Cantar aos quatros ventos
As palavras que brotam
Você é a inspiração
Minha motivação
Queria falar dos sonhos
Dizer os meus secretos desejos
Que é largar tudo
Para viver com você
Este inconfesso desejo...

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Quero seu beijo




Edgar Hardem Vieira

Quero seu beijo terno, suave,
Quero seus lábios pousados
Delicadamente sobre os meus...

Quero seu beijo desejoso,
Quero seus lábios pousados
Pressionados sobre os meus...

Quero seu beijo apaixonado,
Quero seus lábios pousados
Fortemente sobre os meus.

Depois de muitos beijos,
Sentiremos nossas bocas
Como se fossem uma só.

E quanto mais eu quiser,
Mais poderei sentir,
Seus lábios sobre os meus.

domingo, 13 de abril de 2008

Elvis para ouvir e recordar



Só por hoje



Lauro Trevisan

Só por hoje direi que estou de mal com a depressão e se ela der as caras aplicar-lhe-ei vinte bofetões de alegria.

Só por hoje darei alta aos analistas, psicólogos, psiquiatras, conselheiros, filósofos e proclamarei que se antes eu era porque era o que eu era, agora sou o que sou porque sou tão feliz quanto penso que sou.

Como penso que sou feliz, logo sou.
Só por hoje direi que a vida é uma festa, acreditarei que a vida é uma festa e farei da festa a minha vida.

Só por hoje admitirei que todo homem nasce feliz, passa a infância feliz, depois cresce e esconde a felicidade para que não a roubem, só que daí esquece onde a colocou. Mas só por hoje lembrarei que estás na minha mente.

Só por hoje rirei à toa e contar-me-ei uma piada tão velha quanto a história daquele sujeito que olhava por cima do óculos para não gastar as lentes.

Só por hoje, revelarei ao mundo que sou feliz e chamarei de absurda toda opinião contrária.

Só por hoje acreditarei que ri melhor quem ri por si mesmo. Já estou rindo.

Só por hoje informarei a todos que sou tão feliz quanto resolvi ser.

Só por hoje guardarei a seriedade no baú e deixarei que a criança interior brinque comigo o tempo todo.

Só por hoje estarei tão bem-humorado que rirei até até daquele anúncio que diz: "Vende-se uma mala por motivo de viagem."

Só por hoje admitirei que ser feliz é tão simples quanto dizer que sou feliz.

Só por hoje estarei tão feliz que não sentirei falta de sentir falta da felicidade.

Só por hoje expulsarei da minha casa a tristeza e hospedarei a alegria, o sorriso e o bom-humor.

Só por hoje abrigarei a felicidade sob o meu teto, vesti-la-ei com roupas do bem-estar, dar-lhe-ei a comida do sorriso, a bebida da alegria e a divertirei com conversas agradáveis e positivas.

Só por hoje me divorciarei do passado, romperei o namoro indecoroso com os males do presente e casarei indissoluvelmente com a felicidade.

Só por hoje hastearei a bandeira do bom-humor sobre meu próprio território.

Só por hoje decidirei que sou definitivamente FELIZ.


sábado, 12 de abril de 2008

Se eu ainda tivesse minha vida para viver...




Por Erma Bombeck

Se eu ainda tivesse minha vida para viver...
Teria falado menos e escutado mais.
Teria convidado amigos para o jantar,mesmo que o carpete estivesse manchado e o sofá desbotado.

Teria comido pipoca na sala de visitas e me preocupado menos com a sujeira quando alguém quisesse acender um fogo na lareira.

Teria tido tempo para escutar o meu avô relembrar sua juventude.Nunca teria insistido para que as janelas do carro ficassem fechadas em um lindo dia de verão,só para não desfazer meu penteado.

Teria acendido a vela esculpida em forma de rosaantes que ela envelhecesse guardada.
Teria sentado no chão com as crianças e não me preocupado com as manchas de graxa.
Teria chorado e rido menos assistindo à televisão...e mais assistindo à vida.

Teria ido para a cama quando estivesse doente ao invés de pensar que a Terra iria parar se eu não estivesse lá. Não teria comprado nada unicamente por ser prático,não mostrar a sujeira ou ser garantido por toda vida. Ao invés de passar os nove meses de gestação desejando que ela chegasse ao fim, teria curtido cada momento,
reconhecendo que a maravilha crescendo dentro de mim era a única chance de observar Deus em um milagre.

Quando meus filhos viessem me beijar impetuosamente,eu nunca teria dito "Mais tarde.
Agora vão se lavar para jantar."

Teria havido mais "Eu te amo"..., mais "Me desculpe"...

Mas principalmente, se me fosse dado mais um pedaço de vida, eu teria medido cada minuto...
Olhando-o e realmente vendo-o...vivendo-o.
E nunca desperdiçando-o!

Eu teria dito a todos os meus amigos como eu os amo...e preciso deles!


sexta-feira, 11 de abril de 2008

Altemar Dutra - Hino ao Amor




Hymne a L’amour -Uma história verídica



Patrick Fiori & Lara fabian - L'hymne a L'amour

Música: Edith Piaf - Hymne a L’amour
gotasdecarinho
Colaboração de Beatriz Mitchell


Edith Giovanna Gassion ou melhor Edith Piaf Nasceu em Paris a 19 de dezembro de 1915.

Depois de uma infância miserável e pobre,vivendo nas ruas de Paris, onde chegou até a se prostituir,conseguiu finalmente o sucesso.

Conheceu o glamour da fama, tornando-se uma referência da música popular francesa
no mundo. Teve uma vida cheia de amores,tragédias, escândalos, drogas, mitos e lendas,como convém a toda celebridade.

Piaf amou intensamente a todos os seus homens.Mas o grande amor da sua vida, foi sem dúvida Marcel Cerdan,um pugilista da época.
A ele Piaf tinha feito esta canção:Hymne a l'amour,que possui algo
de premonitório na letra.

Em outubro de 1947, ela estava em New York. Marcel iria encontrá-la, após uma série de lutas em benefício de pugilistas inválidos.

Sozinha e saudosa, ela pediu que ele tomasse um avião,pois um navio demoraria uma semana.Marcel argumentou... ela insistiu...

Esta foi a última vez que se falaram. O avião, um Constellation, caiu nos Açores.

Nessa mesma noite ao se apresentar no Versailles, ela calou os aplausos,dizendo que naquela noite só cantaria para Marcel.

Ao final da quinta música, Piaf caiu desmaiada...

Ao voltar, apenas balbuciava:
"Eu o matei..."

Segue-se a vida, e finalmente em
11 de outubro de 1963 (data oficial)calou-se a cotovia da França..."
Alguém que viveu sua vida na máxima.

Tradução da canção
Hymne a L’amour

Le ciel bleu sur nous peut s'effondrer
O céu azul sobre nós pode desabar
Et la terre peut bien s'écrouler
E a terra bem pode desmoronar
Peu m'importe si tu m'aimes
Pouco me importa, se tu me amas
Je me fous du monde entier
Porque se me dá o mundo inteiro
Tant qu'l'amour inond'ra mes matins
Desde que o amor inunde minhas manhãs
Tant que mon corps frémira sous tes mains
Desde que meu corpo esteja fremindo sob suas mãos
Peu m'importe les problemes
Pouco me importam os problemas
Mon amour puisque tu m'aimes
Meu amor, já que tu me amas
J'irais jusqu'au bout du monde
Eu irei até o fim do mundo
Je me ferais teindre en blonde
Mandarei pintar meu cabelo de louro
Si tu me le demandais
Se tu me pedires
J'irais décrocher la lune
Irei dependurar a lua
J'irais voler la fortune
Irei roubar a fortuna
Si tu me le demandais
Se tu me pedires

Je renierais ma patrie
Eu renegarei minha pátria
Je renierais mes amis
Renegarei meus amigos
Si tu me le demandais
Se tu me pedires
On peut bien rire de moi
Bem podem rir de mim
Je ferais n'importe quoi
Farei o que quer que seja
Si tu me le demandais
Se tu me pedires
Si un jour la vie t'arrache a moi
Se um dia a vida te arrancar de mim
Si tu meurs que tu sois loin de moi
Se tu morreres, se tu estiveres longe de mim
Peu m'importe si tu m'aimes
Pouco me importa, se tu me amas
Car moi je mourrais aussi
Porque eu morrerei também
Nous aurons pour nous l'éternité
Teremos para nós a eternidade
Dans le bleu de toute l'immensité
No azul de toda imensidão
Dans le ciel plus de problemes
No céu não haverá mais problemas
Mon amour crois-tu qu'on s'aime
Meu amor, acredite que nos amamos
Dieu réunit ceux qui s'aiment
Deus reúne os que se amam...

Eu sei - Papas da Língua





Composição: Serginho Moah/Fernando Pezão

Eu sei, tudo pode acontecer
Eu sei, nosso amor não vai morrer
Vou pedir ao céu, você aqui comigo
Vou jogar no mar, flores pra te encontrar
Não sei porque você disse adeus

Guardei, o beijo que você me deu
Vou pedir aos céus, você aqui comigo
Vou jogar no mar, flores pra te encontrar

You say good bye, and I say hello
You say good bye and I say hello
Ohohoh
Yeah yeah

Não sei porque você disse adeus
guardei o beijo que você me deu
vou pedir ao céu você aqui comigo
vou jogar no mar flores pra te encontrar

you say good bye and I say hello
you say good bye and I say hello
ohohoh...

Não sei porque você disse adeus
guardei o beijo que você me deu
vou pedir ao céu você aqui comigo
vou jogar no mar flores pra te encontrar

you say good bye and I say hello
you say good bye and I say hello
ohohoh...

UM OLHAR SÓ PRA MIM




Alda Marques

Busco um olhar que me compreenda,
Um olhar que sorria e que me faça sorrir,
Aquele olhar que veja com o coração e fale ao meu coração,
Um olhar que me emocione, que me conquiste...
Busco um olhar que me perturbe, que me deseje...
Um olhar que em meio a todos, olhe apenas pra mim,
Um olhar amigo, um olhar amante,
Um olhar mudo, que diga tudo que preciso ouvir,
Aquele olhar que refrigere toda ansiedade e aqueça a alma,
Um olhar que me beije, que chore comigo...
Busco um olhar que não se desvie do meu,
Que me provoque, que me encare...
Um olhar de amor, de admiração, de respeito,
Tudo começa no olhar,
Olhares se cruzam numa fração de segundo,
E se apaixonam...
Aprisionam-se numa eterna necessidade...
E que prisão maravilhosa!
Busco um olhar que me acomode na masmorra de seu castelo...
Um olhar que me prenda e me encante pra sempre!


quinta-feira, 10 de abril de 2008

Para matar um grande amor



( Texto extraído do jornal Gazeta do Povo – Curitiba/Paraná – datado ed 09/07/2000) Jamil Snege

Muito se louvor a arte do encontro, mas poucos louvaram a arte do adeus. No entanto não há gesto profundamente humano quanto uma despedida. É aquele momento em que renunciamos não apenas à pessoa amada, mas a nós mesmos, ao mundo, ao universo inteiro.

O amor relatizava renúncia absoluta. E não há sentimento mais absoluto do que a solidão em que somos lançados após o derradeiro abraço, o último desesperado entrelaçar de mãos. Arrisco mesmo a dizer só os verdadeiros amores se acabam.

Os que sobrevivem incrustados no hábito de se amar, podem durar uma vida inteira e podem até ser chamados de amor mas nunca foram ou serão um amor verdadeiro. Falta-lhes exatamente o Dom da finitude, abrupta e intempestiva. Qualidade só encontrável nos amores que infundem medo e temor de destruição.

Não se vive o amor, sofre-se o amor. Sofre-se a ansiedade de não poder retê-lo, porque nossas cordas afetivas são muito frágeis pra mantê-lo retido e domesticado como um animal de estimação. Ele é xucro e bravio e nos despedaça a cada embate e por fim se extingue e nos extingue com ele.

Aponta numa única direção : o rompimento. Pois só conseguiremos suportá-lo se ocultarmos de nossos sentidos o objeto dessa desvairada paixão. Mas não se pense que esse é um gesto de covardia. O grande amor exige isso. O rompimento é sua parte complementar. Uma maneira astuciosa de suspender a tragédia,ditada pelo instinto de sobrevivência de cada um dos amantes.

Morrer um pouco para se continuar vivendo. E poder usufruir daquele momento mágico, embebido de ternura, em que a voz falseia, as mãos se abandonam e cada qual vê o outro se afastar como se através de uma cortina líquida ou de um vitral .

Há todo um imaginário sobre os adeuses e as separações, construído pela literatura e pelo cinema. O cenário pode ser uma estação de trem, um aeroporto (remember Casablanca), um entroncamento rodoviário. Pode ser uma praça ou uma praia deserta. Falésias ou ruínas de uma cidade perdida.

Pode estar garoando ou nevando, mas vento é imprescindível. As nuvens devem revolutear no horizonte, como a sugerir a volubilidade do destino. Os cabelos da amada, longos e escuros, fustigam de leve seus lábios entreabertos.

Há sutis crispações, um discreto arfar de seios. E os olhos, ah!, os olhos...A visão é o último e o mais frágil dos sentidos que ainda nos une ao que acabamos de perder. Uma grande dor, uma solidão cósmica, um imenso sentimento de desterro. Que se curam algum tempo depois com um amor vulgar, desses feitos para durar a vida inteira....


quarta-feira, 9 de abril de 2008

O amor não acaba nós é que mudamos



Martha Medeiros

Um homem e uma mulher vivem uma intensa relação de amor, e depois de alguns anos se separam, cada um vai em busca do próprio caminho, saem do raio de visão um do outro. Que fim levou aquele sentimento? O amor realmente acaba?

O que acaba são algumas de nossas expectativas e desejos, que são substituídos por outros no decorrer da vida. As pessoas não mudam na sua essência, mas mudam muito de sonhos, mudam de pontos de vista e de necessidades, principalmente de necessidades.

O amor costuma ser amoldado à nossa carência de envolvimento afetivo, porém essa carência não é estática, ela se modifica à medida que vamos tendo novas experiências, à medida que vamos aprendendo com as dores, com os remorsos e com nossos erros todos. O amor se mantém o mesmo apenas para aqueles que se mantém os mesmos.

Se nada muda dentro de você, o amor que você sente, ou que você sofre, também não muda. Amores eternos só existem para dois grupos de pessoas.

O primeiro é formado por aqueles que se recusam a experimentar a vida, para aqueles que não querem investigar mais nada sobre si mesmo, estão contentes com o que estabeleceram como verdade numa determinada época e seguem com esta verdade até os 120 anos.

O outro grupo é o dos sortudos: aqueles que amam alguém, e mesmo tendo evoluído com o tempo, descobrem que o parceiro também evoluiu, e essa evolução se deu com a mesma intensidade e seguiu na mesma direção. Sendo assim, conseguem renovar o amor, pois a renovação particular de cada um foi tão parecida que não gerou conflito.

O amor não acaba. O amor apenas sai do centro das nossas atenções. O tempo desenvolve nossas defesas, nos oferece outras possibilidades e a gente avança porque é da natureza humana avançar. Não é o sentimento que se esgota, somos nós que ficamos esgotados de sofrer, ou esgotados de esperar, ou esgotados da mesmice.

Paixão termina, amor não. Amor é aquilo que a gente deixa ocupar todos os nossos espaços, enquanto for bem-vindo, e que transferimos para o quartinho dos fundos quando não funciona mais, mas que nunca expulsamos definitivamente de casa.